terça-feira, 8 de novembro de 2011

Migalhas De Ternura

Quem pôs tanta beleza sobre as rosas
Pra serem belas, poucos, poucos dias?
Quem inventou milhares de alegrias
E as incontáveis chagas dolorosas?

Quem une a vida e a morte em nostalgias?
Quem fez os lindos olhos e penosas
As lágrimas que escorrem, grandiosas
As esperanças mortas de agonias?

Se é Deus quem tudo faz, quis me dotar
De ardentes lábios pra jamais beijar,
Querer o sol e ter a noite escura...

Foi Deus quem me deu gestos de rainha
Pra mendigar migalhas de ternura,
Amar, amar, amar e ser sozinha!


Claudia Dimer






Um comentário:

  1. "Migalhas de amor" é um soneto comovente.Parabéns xará...amei.

    ResponderExcluir