terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Minha Mestra

Era a dona do mais sereno olhar;
O seu riso uma musica, uma orquestra.
No rostinho a ternura, a cor e um ar
Que o infantil coração atrai, sequestra.

Com alegria a ensinei brincar,
Qual dono amável que um bichano adestra,
Eu ensinei quem me ensinou a amar...
Eu ensinei a minha própria Mestra!

Segurei-a tão pouco nos meus braços,
Pequeno tempo para grandes laços,
Pequena paz, enorme desengano!...

A tiraram de mim em triste tarde;
De saudade minha alma ainda arde...
Minha doce boneca feita em pano!

Claudia Dimer



Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir